BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

domingo, 31 de agosto de 2008

O suicídio na Era Medieval: Um comentário


Século II: “São Justino, na sua Apologia, exalta os cristãos a correrem para a morte e no começo do século II Tertuliano e os montanistas abundam em exemplos de cristãos que se entregam por si mesmos ou que, como resposta às autoridades, escolhem deliberadamente a morte”.* _________________________________________
Século VI d.C : A Igreja reconhece o suicídio como um pecado. E decidiu que os suicidas vão para o inferno!
Em A Cidade de Deus (I, 47): Santo Agostinho anuncia a doutrina rigorista que definirá a doutrina da Igreja:“Nós dizemos, declaramos e confirmamos de qualquer forma que ninguém tem o direito de espontaneamente se entregar à morte sob pretexto de escapar aos tormentos passageiros, sob pena de mergulhar nos tormentos eternos; ninguém tem o direito de se matar pelo pecado de outrem, isso seria cometer um pecado mais grave, porque a falta de um outro não seria aliviada; ninguém tem o direito de se matar por faltas passadas, porque são sobretudo os que pecaram que mais necessidade têm da vida para nela fazerem a sua penitência e curar-se; ninguém tem o direito de se matar na esperança de uma vida melhor imaginada depois da morte, porque os que se mostram culpados da sua própria morte não terão acesso a essa vida melhor”.
_______________________________________________________

Século V – IV: O indivíduo perde o direito sobre sua própria vida. Em casos de suicídios seus bens são confiscados. A Igreja decide, devido à escassez, repensar o matrimômio e condenar as formas de abstinência sexual, criminalizando também o infanticídio.
_________________________________
Séculos VIII e IX : Se o suicida tivesse uma vida respeitável antes de ficar louco - lê-se - antes de ser apossado pelo diabo, seria perdoado. Caso contrário, seria recriminado pelas autoridades.




Continua...
____________________
*Fonte: MINOIS, Georges. História do Suicídio. Tradução Serafim Ferreira. Lisboa: Teorema, s/d.
**Texto livremente adaptado de: corpoesociedade.blogspot.com

11 comentários:

Magui disse...

Um assunto complicado mas estou acompanhando.Com o tempo vamos contabilizando nossos suicidas!!!!
Eu acho que no Brasil existem muitos suicidios e não sei se é caso de preocupação formal.
Acho interessante que haja uma discussão.Seria bom que houvesse um forum.

André Kaworu disse...

Oi..nossa como as coisas eram esquisitas a tempos atrás - algumas até hoje são, quero ver como vai ser essa evolução nos casos de suicidas. abraços e boa semana

JuJu disse...

De qualquer forma, suicídio nunca é coisa boa.
...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!

Lucas Andrade disse...

Ano passado eu participei de um seminário de prenveção do suicídio. Uma das questões era: se o cara tentou se matar, porque tentar salvá-lo? Eu, sinceramente, não sei qual seria a resposta pra essa questão. A pergunta não foi fechada!
Lucas Andrade
www.cascudeando.zip.net

Cris Santos disse...

Olá Wagner, eu tive um professor ano passado que estava fazendo uma tese sobre suicidio, ele deu umas duas palestras sobre como a sociedade o enxergava nos diferentes momentos historicos...
É realmente um assunto muito interessante e pessoal. Eu particularmente não cometeria porque essa vida pode ser uma droga mas eu prefiro continuar com ela rs. Mas cada um tem a responsabilidade e o direito sobre a propria vida...

Essa foi a frase retrato: "Século VI d.C : A Igreja reconhece o suicídio como um pecado. E DECIDIU que os suicidas vão para o inferno!" rs
Quando postar o final do historico me avise.
Vlw pela visita, Voltarei mais vezes
[]s

Helena Castro disse...

curiosas essas informações. eu não as conhecia.

beijos

Ginurse disse...

Assunto bom esse e pouco falado, parece que as pessoas têm medo, talvez por causa do pecado. Antes todos obedecessem a igreja e ao invés de se matarem, superassem seus problemas.
Como enfermeira vejo essa questão por outro ângulo. Nenhum suicida voltou pra contar o que acontece depois, fica um pouco difícil saber o que se passa na cabeça de quem comete esse ato.
Beijos

uomini disse...

"Assunto bom esse e pouco falado": é isso mesmo...
Acho curioso a morte ter saído do centro das reflexões filosóficas no século XX e início do XXI (Schopenhauer foi o último que fez isso com seriedade na minha opinião).
Viveremos para sempre? Não. E por que não refletir sobre o assunto com seriedade? Medo? Ilusão?
Ansioso pelos próximos posts!

KAKA disse...

ei Wa... sabe no que lembrei? vc está retornando aos posts mais antigos, onde vc dava uma linha sequencial até um conclusão!!vc voltou amigo? qto ao post: se isso continuar "religiosamente" só a linguagem mudará, mas o sentido agressivo do poder é o mesmo! tenso demais pra minha cabeça! quero ver é como é que acaba!!! beijos e abraços com o carinho de sempre, KK.

... disse...

muito complicado entender o suícidio, pq só na dor de quem o pratica, motivos são muitos...
entretanto, nesse caso, estimular a liberdade, ainda que seja para o suícidio ou para a felicidade desenfreada, é incitar indiretamente uma cultura do medo.

Alice disse...

Retribuindo a visita ao nosso blog.
Gostei do que vi por aqui - assunto denso como suicídio não é para qualquer um.